EU CREIO EM MILAGRES, PORÉM…

Não creio que eles aconteçam regularmente com dia e hora marcados. Creio que vários fatores determinam a realização do milagre. A fé, a circunstância, a necessidade, a vontade divina podem ser alistados como fatores para a realização de milagres. Não creio que aconteçam apenas como uma preferência divina por alguns em detrimento de outros ou por uma simples determinação humana.

Não creio que eles fazam parte de uma linha de produção. Cada milagre é único e exclusivo. Ao observar alguns deles realizados por Jesus pode-se ver elementos de exclusividade. Certa vez Jesus curou ma doença com saliva e barro, em outra ocasião lavando em água, em outra aproximando-se e tocando no doente, e ainda, em outra, simplesmente dizendo uma palavra a distância. Isto porque Deus não trabalha como fábrica de milagres: com marca registrada e lotes marcados.

Não creio que ele tenha o objetivo de marketing. Todos os alcançados por um milagre operado pelo mestre da Galiléia foram exortados a que não divulgassem; no muito, a família. Pode-se, então,  perceber que Ele não tinha como objetivo fazer dos milagres seu marketing ministerial. Jesus não pede a nenhum dos agraciados para sairem dando testemunho por onde Ele passasse.

Não creio que tenham o propósito egocênctrico. É preciso perceber que os milagres não propõem-se a atender desejos pessoais-individuais-egocêntricos. Mais do que devolver a visão a um cego Jesus desejava que o curado visse a “luz”. Mais do que fazer o coxo andar Jesus objetivava que o agraciado caminhasse em direção a Deus. Mais do que ressurgir dos mortos Jesus esperava que o ressurreto vivesse para Deus. Por esta razão não creio em milagres egocêntricos que só atendem as necessidades individuaise não redunde em benefícios maiores para o contemplado e o próximo. Daí, não crer que se limitam ao visível e palpável. Ele tem como objetivo atingir corações e almas. Muitos dos quais Jesus curou foram também salvas.

Não creio que haja um único acesso para eles. Há quem diga que para se obter milagres é preciso ter fé. Esta declaração se torna simplista e confusa diante da Palavra e da vida. Pois tanto a Escritura como o dia-a-dia nos revelam o contrário. A fé, somente, não basta para a realização de milagres. Como disse acima, há um conjunto de fatores que produzem o milagre. Esta declaração é irresponsável e frustrante. Causadora de desilusões e decepções religiosas aos montes em nossos dias.

Não creio que sejam um fim em si mesmos. Eles apontam para a invasão do reino de Deus na terra. São o sinal de que um reino onde não há dor, morte e sofrimento é chegado e que um dia será experimentado em sua plenitude. Eles apontam para a eternidade. Brian McLaren diz que “Eles abrem caminho para se crer que algo novo, sem precedentes, e até então impossível, está a caminho; nos dizem que estamos sendo invadidos por uma força de esperança, um grupo de agentes secretos cuja trama é a bondade”. A vida abundante oferecida por Jesus terá sua plenitude na eternidade, porém já a experimentamos aqui e agora em suas muitas características.

Não creio que sejam meios de alcançar a fé. São os milagres que brotam da fé; não a fé que brota dos milagres. Ademais, sinais e maravilhas podem estimular a fé e podem vir em resposta a fé. Para alguns Jesus disse: “Tua fé te curou”, mas em outro caso o pedinte disse: “Ajuda-me na minha incredulidade”.

Por isso não creio que a fé cristã deva caminha sem a companhia do equilíbrio, do discernimento e da lógica.

Adriano Moreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *