PRINCÍPIOS DA QUALIDADE TOTAL

Procura apresentar-te a Deus aprovado…” (2 Tm 2.15)

Para se crescer, amadurecer e alcançar qualidade no Reino de Deus é necessário adotar novos valores e atitudes. Precisam-se conhecer os princípios da liderança pela qualidade e começar a mudar. É necessária a introdução de uma nova visão na igreja. Isto só será possível a partir dos princípios da Qualidade Total. Novas atitudes, valores e objetivos – os mais importantes – estão presentes nestes princípios.

O Princípio da Satisfação. A igreja precisa prever as necessidades e superar as expectativas. A gestão pela qualidade assegura a satisfação de todos os que fazem parte dos diversos processos da obra.

O Princípio da Participação. É preciso criar a cultura da participação e passar as informações necessárias aos cooperadores. A participação fortalece decisões, mobiliza forças e gera o compromisso de todos com os resultados. Ou seja: responsabilidade. O principal objetivo é conseguir o “efeito sinergia”, onde o todo é maior que a soma das partes.

O Princípio da Constancia de Propósitos. A adoção de novos valores é um processo lento e gradual que deve levar em conta a cultura existente na igreja. Os novos princípios devem ser repetidos e reforçados, estimulados em sua prática, até que a mudança desejada se torne irreversível. É preciso persistência e continuidade.

O Princípio do Aperfeiçoamento Contínuo. O avanço, a renovação dos costumes e do comportamento leva a mudanças rápidas nas reais necessidades da igreja. Acompanhar as mudanças que ocorrem com o contínuo aperfeiçoamento é uma forma de garantir e descobrir novas oportunidades de Deus para a igreja.

O Princípio da Delegação. O melhor controle é aquele que resulta da responsabilidade atribuída a cada um. Só com os três atributos divinos – onipresença, onisciência e onipotência – seria fácil ao pastor desempenhar a mais importante missão dentro da igreja: relacionar-se diretamente com todos os membros, em todas as situações. A saída é delegar competência.

O Princípio da Intolerância ao Erro. O padrão de qualidade desejável na igreja deve ser o de “Zero Defeito”. Este princípio deve ser incorporado à maneira de pensar de membros e líderes, na busca da perfeição em suas atividades. A intolerância ao erro não exclui o perdão e inclui a vigilância necessária para evitá-lo.

A implantação da Qualidade Total tem como pré-requisito transparência no fluxo de conhecimento dentro da igreja. Todos devem entender qual é o negócio, a missão, os grandes propósitos e os planos espirituais. Você está dentro?

Adriano Moreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *