ESCREVENDO CERTO POR LINHAS TORTAS

Et 1.1-22

Introdução: O livro de Ester é um dos mais exóticos da Bíblia. Primeiro, pela ausência do nome de Deus em sua narrativa. Segundo, pelo título feminino originado da personagem principal: Ester. Terceiro, por celebrar o casamento de uma judia com um imperador gentílico. Quarto, por descrever o livramento divino dado ao povo judeu através da mortandade e vingança executadas pelos judeus.
Todavia, neste livro pode-se observar, numa trama secular, a providência e controle divinos de cada situação. Neste primeiro capítulo podemos aprender a primeira lição da providência divina: Deus sempre escreve certo. A história escrita por Deus é justa e correta. Daí dizer que Deus escreve certo…

1. PELAS LINHAS TORTAS DO ORGULHO DE ASSUERO (vs.1-9)
• O banquete de Assuero dá o pano de fundo para toda a história do livro.
• Na sua ostentação orgulhosa de poder, Deus está tecendo os alicerces de sua providência salvadora para seu povo.
• Foram seis meses (180 dias) de comes e bebes as custas dos impostos do povo.
• O poderio desse monarca era vulnerável. Governava fora de casa, mas não dominava dentro do lar.
• Lembre-se de que Deus foi exaltado através do orgulho de Nabucodonozor (Dn 4.29-33)
• O coração dos reis está nas mãos do Senhor, Pv 21.1

2. PELAS LINHAS TORTAS DA DESOBEDIÊNCIA DE VASTI (vs.10-12)
• De forma incomum a rainha resolve não atender o rei, v.12.
• Ela foi tão impertinente como corajosa em sua atitude.
• A desobediência de Vasti deu a brecha para a escolha de Éster, v.19.
• A desobediência de Saul proporcionou a escolha de Davi, 1 Sm 15.23; 16.1.

3. PELAS LINHAS TORTAS DA INJUSTIÇA DOS SÁBIOS (vs.13-22)
• Não se preocupou em saber as razões da desobediência de Vasti. Ela não foi interrogada. Simplesmente sentenciada.
• A decisão dos sábios foi machista e preconceituosa.
• Todavia, não foi (por Deus) sentenciada a morte.
• A injusta execução de Jesus na cruz proporcionou a salvação a toda a humanidade.

4. PELAS LINHAS TORTAS DA ESPERTEZA DE MEMUCÃ (vs.16,19-21)
• Há muitas pessoas aproveitando-se das desgraças alheias para se promoverem.
• São verdadeiras sanguessugas a espera de situações das quais possam delas extrair o melhor.
• Todavia, Deus usa desta situação para preparar o caminho de entrada de Ester ao palácio, v.19

Conclusão: Apesar do ditado não ser teológico em sua origem é muito lógico em sua aplicação.

Adriano Moreira

O DEUS DAS PEQUENAS COISAS

Et 2.1-23

Introdução: Às vezes nos questionamos sobre os caminhos traçados por Deus na realização de seus propósitos. Imaginamos caminhos extraordinários. Muitas vezes esses caminhos são os mais simples que possamos imaginar. Neste capítulo encontro caminhos simples como:

1. A SOLIDÃO DO REI ASSUERO (v.1)
• É Interessante observar que Deus preocupa-se com nossas carências básicas, Mt 6.25-33.
• Ao tempo que a carência afetiva de um homem estava sendo atendida, um propósito divino estava sendo traçado.

2. A SOLIDARIEDADE DOS JOVENS DO REI E DE MORDECAI (vs.2,21,22)
• Deus opera através da bondade exercida com os outros, Gl 6.9,10.
• Poucas pessoas preocupam-se com os sentimentos e necessidades dos outros.
• Mordecai foi capaz de livrar o rei da morte, Pv 24.11.

3. A BELEZA FÍSICA DE ESTER (vs.7,9,15-17)
• Eram jovens entre 12 e 14 anos de idade.
• Ester alcançou graça diante do eunuco e do rei, v.9,17.
• A beleza deve ser priorizada mais do que a formosura na vida de uma mulher, 1 Pd 3.3-5.
• Devemos cuidar do templo do Espírito, 1 Co 3.16; Sl 103.1-2
• Deus pode usar a sua aparência física para cumprir seus propósitos.
• Diga-se, de passagem, que o que chamou mais à atenção do eunuco e do rei foi à beleza interior de Ester.

4. A INFLUÊNCIA DE MORDECAI (vs.10,11-19,20)
• Mordecai agiu como um verdadeiro Pai. Você tem sido um verdadeiro Pai-Mãe?
• Mordecai não saia de perto de Ester, vs.11,19
• Mordecai foi o grande influenciador da vida de Ester. Quem você tem influenciado? Sua influência é positiva ou negativa?
• O futuro de seu filho pode depender de sua influência!

5. O CONSELHO DO EUNUCO HEGAI (v.15)
• Deus opera nos bons conselhos.
• Existe o ministério de aconselhamento na igreja.
• Onde há bons conselhos há segurança, Pv 20.18; 24.6; 17.22; 12.15; 11.14.

Conclusão: Ao invés de ficarmos esperando algo incomum acontecer, deixemos que Deus nos use através de caminhos simples, como os vistos neste episódio.

Adriano Moreira

INIMIGOS DECLARADOS

Et 3.1-15

Introdução: É uma lástima ter que admitir que nesta vida há, não só amigos, mas, inimigos. Há os inimigos não declarados. Estes podem ser ignorados. Mas como agir com os inimigos declarados? Neste texto aprendemos algumas coisas sobre os inimigos declarados.

1. SEUS MOTIVOS
• Ameaça ao poder, v.2
• Orgulho ferido, v.5
• Preconceito, vs.4,6,8

2. SUAS ARMAS
• Meia verdade, v.8.
a) A meia verdade é pior que a mentira.
• Manipulação, vs.9-12
a) Do rei, v.9
b) Do povo, v.12. Há pessoas que se envolvem em questões sem saber porque.

3. COMO AGIR COM OS INIMIGOS
• Seja firme em suas convicções, v.2
• Pratique o que Jesus ensinou, Mt 5.44
a) Amar os inimigos
b) Bendizer os maldizentes
c) Fazer o bem aos odiosos
d) Orar pelos perseguidores
• Deixe que o justo juiz faça justiça, Gn 18.25
• Se possível, mantenha a paz, Gn 13.7; Rm 12.18; Pv 16.7

Conclusão: Que Deus nos ajude a lidar com este tipo de gente que, com certeza, encontraremos na estrada da vida.

Adriano Moreira

SEGREDOS DE UMA VIDA BEM SUCEDIDA

Et 4.1-17

Introdução: Certas coisas na vida possuem seus segredos. A própria vida tem os seus mistérios e segredos que, quando descobertos, proporcionam aos viventes uma qualidade de vida melhor. Neste episódio percebo alguns destes segredos que podem tornar a vida melhor.

1. ESTAR NO LUGAR CERTO (v.14)
• Ester foi preparada para estar no lugar certo, na hora certa de salvar seu povo.
• Estar no lugar certo na hora certa pode ser decisivo.

2. TER A CONSCIÊNCIA CERTA (v.14)
• A consciência de que Deus me tem chamado para fazer parte de seus projetos.
• É saber que Deus tem para mim o maior projeto de vida através do evangelho.

3. TOMAR A DECISÃO CERTA (v.16)
• O que experimentamos na vida é resultado de decisões que tomamos ao longo da caminhada.
• A decisão certa é significativa para o triunfo.

4. FAZER O PEDIDO CERTO (v.16)
• O que pedimos revela o que somos.
• Pedidos revelam caráteres.
• Os pedidos resultam em conseqüências para a vida.
• Nossos desejos podem influenciar nossas ações.

Conclusão: Estes segredos ajudam-nos a viver melhor na existência que Deus nos deu, mas nunca se esqueça que “quando pensamos ter todas as respostas para a vida, vem a vida e muda todas as perguntas”.

Adriano Moreira

PRINCÍPIOS QUE REGEM A ORAÇÃO

Et 5.1-14

Introdução: Neste episódio aprendemos alguns princípios que devem reger a nossa vida de oração:

1. O PRINCÍPIO DA PREPARAÇÃO (v.1)
• Ela se preparou para entrar na sala do trono real, Hb 4.16; 10.19
• Tocar na ponta do cetro significava aceitar a graça oferecida do rei.
• Orar é preparar-se para ouvir a voz de Deus.

2. O PRINCÍPIO DA COMUNHÃO (v.2)
• Orar é muito mais estar na presença do rei do que conseguir coisas com o rei.
• Mais do que conseguir coisas com Deus, orar é alcançar graça aos olhos de Deus, v.8.
• Ester primeiro desfrutou da presença do rei em dois banquetes para depois fazer-lhe o pedido.

3. O PRINCÍPIO DO TEMPO (vs.3,4,6-8)
• Ela soube fazer o pedido no tempo certo. O que só acontece no capítulo 7.
• Ela soube dar tempo para Deus trabalhar. O capítulo 6 explica isto.
• Às vezes um pedido feito na hora e local errados pode ser fatal.
• Orar é saber o momento certo de pedir, como a sunamita (2 Rs 4.26-28)
• Ester estava na presença de mais pessoas além do rei.
• Deus está sempre pronto a dar (Mt 7.11), mas o receber depende muito mais de nós do que de Deus (Tg 4.3).

4. O PRINCÍPIO DA CONCORDÂNCIA (vs.9-14)
• Precisamos saber que orar é concordar com os propósitos eternos de Deus (Mt 6.10)
• Antes que Ester fizesse o pedido de enforcamento para Hamã Deus já estava permitindo que o mesmo construísse sua forca.
• Orar não é mudar os planos de Deus, mas, sim, concordar com eles (Sl 40.7,8)

5. O PRINCÍPIO DA JUSTIÇA (vs.9-14)
• Jesus ensinou que orar é clamar pela vinda do reino de Deus (Mt 6.10)
• Paulo declara que este reino é um reino de justiça (Rm 14.17)
• Orar significa deixar que o reino de justiça divina seja implantado na terra.
• Hamã já era alvo da justiça divina.

Conclusão: Precisamos mais do que nunca aprender a orar!

Adriano Moreira

AS IRONIAS DA VIDA

Et 6.1-14

Introdução: A vida está recheada de ironias. Pode-se definir ironia como um sarcasmo ou como uma zombaria insultuosa. É fantástico descobrirmos que Deus age através das ironias da vida. Este capítulo fala-nos de algumas ironias da vida humana:

1. A IRONIA DE SER LEMBRADO QUANDO A MUITO ESQUECIDO (vs.1-3)
• O fato de o rei ter deixado de honrar alguém que havia salvo a sua vida era uma séria omissão que precisava sem dúvida ser reparada.
• É uma verdadeira ironia ser lembrado por acaso.
• Veja o exemplo de José no Egito.

2. A IRONIA DE HONRAR QUEM SEMPRE SE QUIS HUMILHAR (vs.6-11)
• O que Hamã desejou e sugeriu foi as honras de um rei.
• Ele não estava contente com todas as honras que possuía no palácio. Ele queria as honras públicas. Quiçá o trono.

3. A IRONIA DE SER ANTECIPADO POR DEUS NOS PRÓPRIOS PROJETOS (vs.4,5)
• Hamã chegou ao palácio antes da guarda real.
• A corte estava vazia. Ele tentou se antecipar nos seus projetos.
• Às vezes um pedido feito na hora e local errados pode ser fatal.
• Só que naquela mesma noite Deus antecipou-se à antecipação de Hamã.
• Deus sempre chega primeiro.

4. A IRONIA DE SE ENFORCAR NA PRÓPRIA FORCA (vs.4,13)
• Segundo as Escrituras colhemos o que semeamos, Gl 6.7; Sl 7.15

Conclusão: Em suma, podemos aprender algumas lições sobre a ironia da vida: 1) A vida por si só é uma grande ironia; 2) Deus age através da ironia da vida; 3) Quando andamos sob a égide de Deus, as ironias da vida contribuem em nosso favor.

Adriano Moreira

A JUSTIÇA DIVINA

Et 7.1-10

Introdução: Justiça é dar a cada um segundo as suas obras. É a lei da vida.

1. É FRUTO DA ORAÇÃO DOS SANTOS (vs.1-3)
• A oração dos justos pode muito em seus efeitos, Tg 5.14,16

2. É UMA RESPOSTA AS INJUSTIÇAS DA VIDA (v.4)
• Toda semeadura dará fruto.
• O que se tem semeado na vida?

3. É A COLHEITA DE TUDO O QUE SEMEAMOS (vs.5-10)
• Hamã semeou ódio e colheu furor.
• Hamã semeou laço e colheu morte.

Conclusão: Não hesite em crer que Deus é um justo Juíz!

Adriano Moreira

LIÇÕES DA VIDA QUE NÃO DEVEMOS ESQUECER

Et 8.1-17

Introdução: Todos nós sabemos que a vida é uma escola. Quem já não ouviu a frase “a escola da vida vai ensiná-lo”. Este capítulo mostra-nos algumas lições que a vida nos ensina. Eis algumas delas:

1. QUEM TENTA POSSUIR TUDO CORRE O RISCO DE FICAR SEM NADA (vs.1-2)
• “Casa” de Hamã refere-se a tudo o que ele tinha.
• A única lição que o egoísmo deixa dá é da ruína.
• O homem que desejou tudo ficou absolutamente sem nada. Perdeu a própria vida.

2. AINDA HÁ PESSOAS QUE SE ARRISCAM PELOS OUTROS (vs.3-6)
• Ester já estava salva. Ela agora intercede pelo seu povo.
• O sentimento de compaixão pelo próximo também marcou o ministério de Jesus.

3. NÃO HÁ PESSOA INSUBSTITUÍVEL NESTA VIDA (vs.2,15)
• Hamã talvez se sentia insubstituível e por isso foi substituído.
• Vários exemplos de pessoas substituídas na Bíblia.

4. NÃO IMPORTA QUANTO TEMPO PASSE, A JUSTIÇA SEMPRE SE MANIFESTA (vs.7-14)
• O decreto foi redigido em 23 de Sivã, o terceiro mês (v.9);mas só entrou em vigor em 13 de Adar, o décimo segundo mês (v.12)
• Veja Ec 8.11

5. AINDA HÁ PESSOAS QUE FESTEJAM O SUCESSO ALHEIO (vs.16-17)
• A festa não era apenas pelo livramento da morte, mas, também, pela honra de Mordecai.

Conclusão: Nunca se esqueça que nesta escola da vida todos acabam aprendendo, de um jeito ou de outro. Que você escolha os mais fáceis e menos dolorosos.

Adriano Moreira

APRENDENDO COM OS TRIUNFOS

Et 9.1-10.3

Introdução: A vida é marcada com batalhas e triunfos. Como a vida é uma escola, nunca deixamos de aprender com cada etapa, momento ou circunstancia que ela nos impõe. Normalmente ouvimos falar das lições que a adversidade nos dá. Mas, quais seriam as lições que o triunfo pode nos proporcionar? Vejamos algumas:

1. NENHUMA VITÓRIA É SEM ESFORÇO (vs.1-2)
• Apesar do decreto do rei que conferia o direito de sobrevivência aos judeus, eles tiveram que lutar para alcançarem o triunfo.
• O inimigo sempre nos resistira, Jr 1.17.
• Precisamos nos convencer de que os triunfos da vida precisam ser conquistados, Js 1.3,8.
• Não podemos esquecer que Deus é a fonte de toda a vitória. Adam Clarke disse que “Ninguém é tão pequeno que Deus não possa elevá-lo. Ninguém é tão grande que Deus não possa derrubá-lo”.

2. OS VERDADEIROS COMPANHEIROS SE REVELAM NAS BATALHAS, NÃO NAS VITÓRIAS (vs.3-4)
• Os que se aliaram a Mardoqueu não o fizeram por amizade, mas por medo.
• A Bíblia diz que os verdadeiros amigos se revelam na angústia, Pv 17.17.
• Provérbios diz que o homem que tem muitas riquezas possui muitos amigos, Pv 19.4

3. NÃO PODEMOS FAZER DAS NOSSAS VITÓRIAS INSTRUMENTO DE NOSSA CRUELDADE (vs.5-17)
• É interessante observar nos versos 10,15,16 que os judeus não se apossaram dos bens de seus inimigos. A pergunta é: por que?
• Primeiro, porque quem é exaltado por Deus precisa conhecer seus limites, Gn 50.19,20.
• Segundo, porque quando Deus nos exalta é para sermos instrumentos de benção, 10.3; Gn 50.21
• Terceiro, porque se não soubermos ser exaltados, Deus nos humilhará, Is 47.6,7
• Sigamos o exemplo de Ester que fez um pedido justo quando poderia ter aproveitado-se da situação,vs.12-13

4. NOSSA HISTÓRIA PRECISA SER LEMBRADA PELOS TRIUNFOS E NÃO PELAS DERROTAS (vs.18-32)
• Eles passaram a comemorar o dia da vitória (sorte) todo o dia 14 de Adar e não o dia da provação. Deus precisa ser lembrado pelas vitórias que nos dá, Sl 126.3
• Na maioria das vezes só nos lembramos dos dias fatídicos de nossa vida.
• Deus sempre incentivou o seu povo lembrar-se dos dias de vitória, v.28. A páscoa é um exemplo disso.
• São as lembranças dos triunfos passados que nos dão a esperança e a certeza dos triunfos futuros.
• Todavia, lembrar-se do triunfo não significa negar as adversidades. Muito pelo contrário, significa admitir ter sido vitorioso nas adversidades da vida.

Conclusão: Deus nos leva ao estado de exaltação para sermos instrumentos de benção aos que ainda estão em estado de humilhação (10.3).

Adriano Moreira